quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Tutorial: Pena de Pavão

Oiê!
Chegou mais um carnaval e com isso a oportunidade para usar uma maquiagem mais colorida e caprichada. Depois da make arco-íris e da rainha Amidala, me inspirei na Linda Hallberg e na penado pavão. O resultado é incrível e dá para usar fora do carnaval – sério! Vem conferir esse passo-a-passo com toda a beleza e imponência de um pavão!

Usei os seguintes produtos para preparar a pele:
BaseSuperstay 24h, cor Classic Ivory Light (Maybelline)
Fit me! Matte+Poreless Powder, 120 Classic Ivory (Maybelline)
Blush, cor Rose Éclat (Bourjois)
Natural Bronzer, na cor 021 Sun Light (Rimmel)
Pó Iluminador, na cor 02 (Dailus Pro)
- Lápis de sobrancelha, Cinzel (Quem disse, Berenice?)

Clique aqui para ampliar.


Ainda na minha fase “boca nude”, passei o Begeli (Quem disse, Berenice?) para compor o look final.


Produtos utilizados:
Primer de olhos (Quem disse, Berenice?)
- Sombra Coal (Mary Kay)
- Endless Eyes Day to Night Palette (e.l.f.)
- Sombra Marrone (Quem disse, Berenice?)
- Cream Eyeliner, Black (e.l.f.)
- Máscara The Mega Plush (Maybelline)
- Máscara Super Colour, 07 Sky Blue (Kiko)

Sempre que estou sem inspiração recorro ao Pinterest e lá tenho várias fotos de makes da Linda. Ela é uma maquiadora incrível e com ideias maravilhosas. Linda é sueca, mas posta vários conteúdos em inglês também, vale a pena segui-la!

Quanto à essa maquiagem, ela tem vários passos e precisa de um pouco de tempo para fazer, mas é bem simples. Para facilitar a vida, é só usar um pedacinho de microporo e até o delineado vai sair de primeira. Toda vez que faço maquiagens com o olho mais alongado, fico com vontade de andar com o olho meio fechado, só pra todo mundo ver! Como eu disse no começo, dá para usar essa maquiagem em festas ou eventos, só diminuir um pouco no brilho e o iluminado, você não tem ideia de quanto iluminador eu passei no meu rosto só para brilhar mais nesse carnaval!

Você já tem ideia de qual será sua fantasia desse ano? Acho que a minha será jaleco e dissertação...to nos finalmentes, torçam por mim!

Até mais!

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Falando sobre o Coletor Menstrual Korui

Oiê!
No mês passado eu fiz um post falando sobre menstruação e comecei a falar sobre coletores menstruais. Hoje vim te contar a minha experiência com o coletor da Korui e responder algumas dúvidas e inseguranças que eu tinha.

Primeiro vamos falar sobre o coletor. Fiquei bem confusa para escolher até que comecei a assistir vídeos. Me deixou preocupada o fato de que eu só achava vídeos falando bem dos coletores, então busquei vídeos de pessoas que não se adaptaram. Nesse momento eu comecei a entender como o coletor iria funcionar. O Korui apareceu na minha “frente” depois que eu assisti o vídeo de uma youtuber que não tinha se adaptado ao coletor anterior e que os problemas dela tinham se resolvido, ela contou que o Korui tinha a opção leve que era indicada para quem tem colo mais baixo. Comecei a me sentir mais segura com ele. Busquei outros vídeos sobre o Korui e cada vez mais eu me encantava por ele, no final efetuei a compra após fazer esse teste (Super recomedo). Paguei uns R$82,00 + frente (aqui) e chegou na data prevista e assim que veio meu ciclo eu comecei a usar.
Uma das coisas legal do Korui é que você pode escolher a cor e eu escolhi o laranja, obviamente. O coletor vem em uma caixinha, com um manual, o coletor e um saquinho de algodão para armazenar. Ante de usar, coloquei o coletor em uma vasilha de vidro (que uso só para isso) com água e coloquei no microondas por 5 minutos, tire com cuidado e deixe secar e esfriar – muito fácil, não precisa comprar panelinha nem nada. Outra coisa que eu fiz foi lavar a bolsinha, assim eu garanti que estava tudo bem limpinho. Repito o processo do microondas todo final e começo de ciclo, não tem segredo!
O coletor não grande, ele tem 4,1cm de diâmetro na borda, 4,7cm de altura mais 2,3cm de haste (total de 7cm), porém dá para cortar a haste tranquilamente. Eu tive que cortar 1cm mais ou menos. O volume total do tamanho leve é de 25mL. O Korui é feito de silicone medicinal e não é muito molenga e nem muito duro, bom para quem pratica esportes e tem a musculatura pélvica um pouco mais fortalecida.
Por causa da pílula eu sei exatamente quando minha menstruação começa, por isso na noite anterior eu já coloquei o coletor e foi fácil, muito mais fácil do que eu esperava. Atribuo essa facilidade pelo fato de conhecer o meu corpo e por ter lido tudo o que eu podia sobre a anatomia pélvica e as dicas de outras pessoas. O segredo de ouro é: Na hora de inserir, faça o movimento em direção à suas costas e não para cima, desse jeito o coletor segue a curva natural do canal vaginal. Quanto as dobras, treinei algumas e resolvi ficar com a mais simples, a Punchdown, onde você simplesmente empurra um dos lados da borda para dentro do copinho. Outra dica boa é tentar não inventar muito nas dobras para facilitar na hora do coletor abrir.
Acima a dobra Punchdown e em baixo a comparação abertura do coletor quando dobrado.
Já estou usando o coletor há dois ciclos e tem sido ótimo. Limpo o coletor pela manhã e me planejo para dar as 12h mais ou menos na hora do banho, lá eu tiro, lavo com sabonete de glicerina neutro, me lavo e recoloco. A cada dia eu vou ficando mais rápida! Até o momento, no segundo dia de fluxo em 12h não encheu nem a metade do copinho. Isso era uma coisa que eu já tinha certeza e agora comprovei, meu fluxo é bem leve!

E agora, as dúvidas que eu tive!

O coletor é muito grande, vai ser difícil colocar e imagina tirar...Essas dobras são enormes...Certeza de que vou sentir o copinho...

O coletor aberto é grande, mas não podemos esquecer que o canal vaginal é um musculo e que ele consegue aumentar muito mais do que o coletor. Por ele passam bebês! As dobras parecem grande mesmo, mas na hora de inserir o silicone desliza muito fácil pelo canal, principalmente se você molhar o coletor. Depois que você coloca no lugar certo, ele vai abrir (eu não consigo ouvir o vácuo, mas tem gente que ouve o “ploc”) e mal dá para sentir o coletor. Só não falo que nunca dá para sentir porque depois de correr ou fazer aula de jump eu sinto que ele dá uma descidinha, nada que uma conferida no banheiro não resolva.

Ele vaza? Tem muito sangue na história? E o cheiro?

Olha, se você não gosta de sangue você não vai gostar de tirar um copinho de sangue. Até agora não tive problema de vazamento, só percebo que depois das trocas você pode ver um pouco de sangue no papel depois do xixi, é que enquanto você troca, um pouco de sangue escorre para o canal. Você só vai sentir cheiro se meter o nariz no coletor e o único cheiro que você vai sentir é de sangue.

Como sei que ele está no lugar? E se ele pegou vácuo?
Você sabe que tá no lugar quando você não sente incomodo (e porque não vaza). Para verificar se pegou vácuo, é só passar o dedo na borda do coletor. Só que isso não é tão simples assim e eu não consegui...Você pode tentar dar uma puxadinha na haste e ver se ele está bem preso. Comigo, quando não pega vácuo dali uns minutinhos eu sinto uma sucção no ventre e ai sei que a musculatura ajudou a encaixar o coletor – essa hora é bem bizarra!

Pra tirar é muito ruim?

A haste não serve para tirar, mas gosto dela para usar como guia. Insiro meu dedo até encontrar a haste e ai coloco o dedão com o indicador na base do coletor, aperto e puxo delicadamente. Vem muito fácil! As ranhuras na base do coletor são essenciais para ajudar a fixar as pontas dos dedos.
Dica importante: Não consigo deixar minhas unhas muito compridas porque nesse processo acabo me beliscando toda. Unhas curtas facilitam a inserção e a retirada e é mais higiênico.

Bom, essas foram as principais dúvidas que eu lembrei. Se você tem mais alguma, põe lá nos comentários.

Você já é adepta ao coletor menstrual?

Até mais!

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Televisando: The Crown

Oiê!
Em novembro do ano passado a Netflix arrasou de novo com o lançamento da série The Crown. A série é uma biografia da Rainha Elizabeth II e a história começa a partir do casamento da, então princesa, com o Philip (hoje príncipe consorte) em 1947. A série mostra um pouco como o rei George IV preparou a Elizabeth para assumir o trono e o quanto ela teve que se impor ao se tornar rainha aos 25 anos.
Eu adoro histórias da realeza britânica, acho que eu seria uma daquelas pessoas fanáticas que morasse por lá! Eu sempre acho muito interessante entender como a realeza funciona, gosto de ler, entender quem é parente de quem – afinal a realeza europeia é praticamente uma só. A série me propôs uma visão bem diferente de tudo o que eu já tinha assistido sobre a família. The Crown foca bastante na pessoa Elizabeth e não apenas a rainha, ela mostra que existem duas pessoas e como a rainha começou a lidar com isso diariamente.
A série também mostras bastante a postura do príncipe Philip, um playboy com muita dificuldade em aceitar que sua mulher e seus filhos não podem ter o seu nome e que ele deve viver sempre alguns passos à trás da Elizabeth. Isso é uma situação que o deixa muito frustrado, pois foge do padrão familiar comum à época. É muito legal ver como a Elizabeth vai aceitando sua posição de rainha e se impondo.
Outra coisa muito legal é quando a rainha percebe que a educação que ela teve a vida toda não a preparou para ser uma governante e sim uma “donzela”. E quando ele percebe isso, é o momento que ela compreende que ela deve mudar de postura e se preparar melhor. É ai que ela começa a se tornar a Rainha Elizabeth que conhecemos hoje.
É uma série fascinante e muito bem feita – até acho que justifica ser a série mais cara até hoje. Estou bem ansiosa para a segunda temporada, quero continuar acompanhando a trajetória da rainha, ver como ela foi se transformando no que é hoje!

Super recomendo!

Você já assistiu? Me conta o que achou!

Até mais!

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Resenha: Begeli (Quem disse, Berenice?)

Oiê!
No final do ano passada a Quem disse, Berenice? lançou novas cores de batons líquidos e em tamanho maior. A coleção é composta por diversos tons de nude, afinal cada tom de pele tem um tom nude diferente. Ganhei de Natal o Begeli e ele é lindo! Não é surpresa que os batons líquidos da Berê são maravilhosos e cada dia a marca nos faz mais feliz com novas cores.

Segundo a marca: “o queridinho das berês agora com o dobro da quantidade!
que mulher não se derrete por um batom? ele mostra a personalidade sem que nenhuma palavra tenha sido dita. tem batom cremoso, batom cintilante, batom glitter, batom metalizado... mas um dos preferidos é o mate! e o que a gente gosta tanto, devia existir de vários jeitos diferentes, não acha? pensando nisso, o batom líquido mate, com uma nova textura - o supermate! supercobertura, longa duração e acabamento impecável, não escorre e nem transfere. impossível não se apaixonar! as novas cores do batom mate líquido são apresentadas com o dobro da volumetria, duas vezes mais produto com um precinho super especial.
Agora os batons líquidos vem com 5,6mL e o preço aumento para R$35,90 no site e nas lojas físicas. Quando fui pesquisar as informações percebi que a cor não estava na cartela de cores, mas não achei nada falando que o Begeli não está sendo fabricado. Se você souber de algo, conta nos comentários!
As dimensões do tubinho novo para o antigo são exatamente iguais, a diferença é que o plástico transparente é mais fino e por isso comporta mais produto. O aplicador é exatamente o mesmo. A aplicação e textura também não muda muito, É uma fórmula bem fininha, de secagem rápida, não craquela e fica confortável nos lábios. Te aconselho a ler as resenhas do Marronli, Rosadili e Veveli, pois lá descrevo mais sobre a textura.
O Begeli é um bege de funo rosado, um tom levemente pêssego. Na amostrinha no dorso da mão ele fica bem rosado, já nos meus lábios ele fica mais neutro. Acredito que o tom natural da minha boca neutraliza o begeli, o tom que fica é bem bonito e discreto. To apaixonada por esse batom! Achei a fórmula um pouco mais grossa do que os outros tons da marca, mas nada que dificultasse a aplicação e a durabilidade.
O Begeli dura o dia todo nos lábios, principalmente se você não comer coisas gordurosas e nem esfregar os lábios. A fórmula é bem resistente à água, à menos que você esfregue bastante.
Infelizmente ainda não usei a cor em um tutorial, vou ficar devendo a foto do look completo. Em breve atualizo este post!

Em resumo, é um batom lindo, um nude que pode mudar um pouco de tonalidade dependendo da cor dos lábios e com duração excelente. O custo-benefício, para mim, é bom!

Recentemente a marca lançou as versões metálicas e eu estou doida para testar! Mas, me conta, você tem alguma cor favorita dos batons líquidos da Quem disse, Berenice ??

Até mais!

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Tutorial: O Centésimo

Oiê!
O tutorial de hoje é muito especial para mim, ele é o centésimo tutorial desde que o blog começou! É claro que eu tinha que fazer um olho bem especial para marcar o momento – e com um toque laranja, óbvio! Não é uma maquiagem para se fazer nos dias de pressa, pois precisa um pouco de cuidado para esfumar as sombras e deixar tudo bem mesclado. É uma ótima pedida para uma festa, um evento ou simplesmente porque você quer fazer algo diferente e bonito nos olhos. Pela centésima vez, vem conferir o passo à passo dessa make!

Usei os seguintes produtos para preparar a pele:
Base Líquida de Alta Cobertura, cor 02 (Quem disse, Berenice?)
Fit Me! Matte+PorelessPowder, 120 – Classic Ivory (Maybelline)
Natural Bronzer, cor 021 Sun Light (Rimmel)
Blush, cor Rose Éclat (Bourjois)
- Lápis de sobrancelha, Cinzel (Quem disse, Berenice?)
- Lápis Jumbo, Milk (NYX) – para iluminar abaixo da sobrancelha
Clique aqui para ampliar.

Nos lábios, eu escolhi o batom Marsala (Kiko), uma cor bem neutra para destacar as cores lindas do olho!
Te apresento, o resultado final da centésima!


Produtos utilizados:
Sombra Starlight (Essence)
- Palette V209A (Jasmyne)
- Endless Eyes Day to Night Palette (e.l.f.)
- Cream Eyeliner, Black (e.l.f.)
-Máscara The Mega Plush (Maybelline)

Quando percebi que atingi a marca dos 100 tutoriais fiquei extasiada, foi uma sensação tão boa. Sempre olho os primeiros tutoriais do blog e é muito legal ver o quanto a minha técnica melhorou. Querendo ou não, são 100 vezes que treinei uma técnica nova, inventei uma combinação diferente e algumas não deram muito certo, mas mesmo assim postei e compartilhei com você, afinal o que pode não ter dado certo comigo pode funcionar com você.

Fiquei apaixonada por esse olho, ao vivo ele ficou com um efeito M-A-R-A que não consegui captar nas fotos. Foi um dia que sentei e fiquei bastante tempo me maquiando, como se fosse uma terapia. Me desliguei do mundo e só me concentrei nos pincéis e sombras. Quando terminei, fui assistir Netflix toda feliz e me achando a mulher mais linda do mundo!

Bom, depois de 100 tutoriais, você tem algum favorito? Eu não consigo escolher só um!

Até mais!

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Estante: Harry Potter e a Criança Amaldiçoada

Oiê!
Não sei se eu já comentei por aqui, mas sou muito fã de Harry Potter. Cresci lendo as histórias, acompanhando os filmes e até escrevi fanfics com a minha melhor amiga. Vibrei quando a J.K. lançou o Pottermore e me surpreendi com o lançamento da peça. TÁ, isso já fazem MESES, porém por conta do tempo demorei um pouco para conseguir ler o roteiro da peça. Ganhei o livro no final do ano passado e li em menos de 24 horas. Super normal! Lembro que li o último livro da saga em mais ou menos isso e quando acabei, li de novo! Chegou a hora de contar o que achei do polêmico “Harry Potter e a criança amaldiçoada”.

Bom, preciso confessar eu não me aguentei e li todos os spoilers possíveis antes de ter o livro e eles me deixaram ainda mais empolgados para ler, apesar das minhas expectativas estavam bem baixas. Ah, cuidado, o texto tem alguns spoilers!

Harry Potter e a Criança amaldiçoada começa exatamente onde o epílogo de Relíquias da morte parou. A história começa 19 anos depois e avança mais 3, mostrando o quarto ano de Alvo Severo Potter, filho mais novo de Harry. A leitura é bem fácil, pois é um roteiro, traz poucos detalhes e aprofundamentos que estamos acostumados. De fato, a história não é das melhores, mesmo assim alguns momentos conseguiram aquecer meu coração de fã.  Notei três coisas que me irritaram profundamente:

1-      Viagens no tempo precisam ser bem estruturadas para dar certo e aí eles usaram e abusaram do recurso;
2-      O Rony perdeu muito destaque e achei que o trio principal poderia ter um pouco mais de ênfase, para relembrar os velhos tempos;
3-      Que ideia de m***a inventar que o Voldemort teve uma filha com a Bellatrix! Sério, como alguém pode pensar em uma coisa dessas.

Além desses três pontos, a história tem outros problemas, mas não vou enumera-los aqui, tire suas próprias conclusões!

Li que muitas pessoas acharam o Alvo chato, porém achei que ele se tornou um personagem interessante, que se tivesse mais espaço (ou fosse um romance) poderia ter sido bem aprofundado e trabalhado. Ele é um adolescente que cresceu sob a imagem de ser filho do grande Harry Potter e não soube lidar com isso – nem o Harry. A primeira coisa que me veio à mente foi o Harry do quinto livro, que teve aquela crise bem chata no começo porque ninguém mandou cartas e o evitaram durante o verão. Me julguem, mas essa fase do Harry foi bem chata, fiquei com vontade de dar uns tapas pra ele cair na real. Ainda falando sobre o Alvo, não enxerguei nenhuma abertura de romance entre ele e o Scorpio, por isso não fiquei chateada com o final.

Infelizmente, por ser uma peça, os diálogos são rápidos, muitas vezes explicativos e não permite uma discussão aprofundada de tudo o que a peça trata. Eu viveria bem se essa peça não existisse? Com certeza, ela é totalmente desnecessária para o universo criado pela J.k, ela parte de um ponto, cria universos alternativos e volta para o mesmo ponto – não acrescentou muita coisa. Serviu para aquecer o coração dos fãs, trazer aquela empolgação dos lançamentos dos livros e trazer de volta um assunto para conversar com outros fãs. Por alguns dias foi assunto entre eu e minha amigas que também gostam da série.

O post é sobre o livro, então não vou entrar na discussão dos atores que foram escalados. Sinceramente, não é uma coisa que deveria fazer diferença. Nos filmes tem vários personagens diferentes de como foram descritos no livro. O que importa é como essa peça vai ser apresentada ao público, que o ator consiga passar o peso do personagem.

No começo comentei que eu e minha amiga tínhamos uma fanfic e descobri que ela continua no ar – e que tem uma boa avaliação! Hahaha! As histórias são de 2009 e o texto é meio fraco, mas se você quiser conferir é só clicar aqui e aqui!

Me conta nos comentários o que você acha de trazer um pouco do universo mágico de Harry Potter aqui pro blog?


Até mais!

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Televisando: Gilmore Girls

Oiê!
Finalmente vou falar da série que esperei minha vida inteira para assistir direito! Sei lá a quantos anos atrás eu liguei minha TV na Warner e vi uma série interessante, não sabia o nome ainda e parecia que era sobre duas melhores amigas. Depois descobri que a série era Gilmore Girls e que contava a história de mãe e filha. Nessa época eu não entendia muito bem como as séries funcionavam e não conseguia acompanhar. Passei os últimos anos desejando loucamente que a Netflix colocasse todas as temporadas. Demorou, mas valeu a pena, a série ganhou uma temporada nova no final do ano passado. Assim que colocaram as 7 temporadas, maratonei o máximo possível e quando lançaram a nova, assisti em um final de semana, se não me engano.
A história é sobre a Lorelai e sua filha Rory, elas moram em Stars Hollow desde que Lorelai fugiu de casa após ter a Rory, aos 16 anos. A história se passa anos depois do ocorrido e Lorelai precisa da ajuda de seus pais para bancar uma escola para Rory, assim elas têm que comparecer aos jantares de sexta – coisa que as duas odeiam no começo. Com o tempo, os quatro começam a se aproximar, mas não espere o retrato de uma família de comercial de margarina!
A série tem personagens diferentes e incríveis! É muito fácil se apegar a eles! Stars Hollow é uma cidade pequena, com diversos festivais e sempre agitada por conta de seus moradores. Não tem como não pensar no Kirk sem abrir um sorriso ou no Luke sem pensar em um boné e café! Eu daria tudo para ser aluna da Miss Patty e ir às reuniões da cidade. Stars Hollow é um lugar eu gostaria que existisse só para que eu pudesse passar alguns dias por lá. Depois que terminei o texto, percebi que eu ficaria horas escrevendo sobre os personagens, a maioria conseguiu me tocar e me deixar uma lembrança gostosa.
Durante as 8 temporadas muita coisa aconteceu. Eu gosto mais das primeiras, acho que depois que a Rory entra na faculdade a personagem fica um pouco irritante. De longe, gosto muito da Lorelai, do começo ao fim. Eu também gosto bastante da Emily e do Richard, pais da Lorelai, as cenas com eles são maravilhosas – AMO OS JANTARES DE SEXTA e queria participar de alguns!
A nova temporada é composta por 4 episódios de 90 minutos, representando as estações. Foi muito bom rever os personagens, a cidade e as garotas Gilmore. Infelizmente, Edward Herrmann, o ator que fazia o pai da Lorelai, faleceu um ano antes da série voltar e fez muita falta à história. Outra crítica à nova temporada é a participação da Sookie, melhor amiga da Lorelai – foi muito “X” – acredito que a Melissa McCarthy teve problemas com a agenda ou não quis se envolver muito.
Quanto ao final polêmico da nova temporada, senti como se fosse um chute do estomago. Fiquei chocada, passada e meio perdida. Sério...que final foi aquele!

Enfim, acho que ainda prefiro as temporadas antigas! Ah, antes que você me pergunte qual “team” eu sou, serei obrigada a te responder que dependendo da minha fase eu torço para cada um deles – talvez o perfeito seria a mistura dos três! E sim, acho a Lorelai e o Luke um casal incrível, desde quando eles não eram um casal.

As 7 temporadas e a nova estão disponíveis da Netflix, é só pegar a pipoca e maratonar!

E ai, você assistiu Gilmore Girls antes ou só agora na Netflix? Me conta o que você achou!

Até mais!

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Resenha: 156 - Pearly Violet & 138 - Mat Orange

Oiê!
No ano passado ganhei duas sombras da KIKO, uma laranja e uma roxa. Já as usei em tutoriais, mas estava devendo a resenha. A roxa chama Pearly Violet e ela é maravilhosa, sério, a beleza dela não condiz com a cor que tá no “potinho”. A laranja é a Mat Orange, que já dá para imaginar que é um laranja opaco, o detalhe é que ela é bem vibrante, aquele laranja bem chamativo. São duas cores bem fortes, mas a marca tem as cores básicas e por um preço bom, por isso te aconselho ler essa resenha e preparar seu bolso porque a KIKO está desembarcando no Brasil!

Segundo a KIKO: “Sombra compacta de alta pigmentação, para uma cor intensa, uniforme e fácil de aplicar.
A sua textura aveludada e ultra misturável liberta uma cor particularmente intensa, de cobertura imediata, para uma maquiagem com grande impacto e de longa duração.
Com uma gama de 81 tonalidades, divididas em múltiplos acabamentos diferentes - de mate a acetinado, de perolado a brilhante – essa sombra de olhos te permite criar uma infinidade de efeitos cromáticos e novos visuais, perfeitos tanto para o dia como para a noite.

Ingredientes: TALC, PARAFFINUM LIQUIDUM (MINERAL OIL/HUILE MINERALE), MAGNESIUM STEARATE, LANOLIN OIL, METHYLPARABEN, BHA, ETHYLPARABEN, PROPYLPARABEN, BUTYLPARABEN. +/- (MAY CONTAIN): MICA, CI 15850 (RED 7 LAKE – RED 6 – RED 6 LAKE), CI 45410 (RED 28 LAKE – RED 27 LAKE), CI 19140 (YELLOW 5 LAKE), CI 15985 (YELLOW 6 LAKE), CI 16035 (RED 40 LAKE), CI 75470 (CARMINE), CI 42090 (BLUE 1 LAKE), CI 77510 (FERRIC FERROCYANIDE, FERRIC AMMONIUM FERROCYANIDE), CI 77007 (ULTRAMARINES), CI 77742 (MANGANESE VIOLET), CI 77289 (CHROMIUM HYDROXYDE GREEN), CI 77288 (CHROMIUM OXIDE GREENS), CI 77491 – CI 77492 – CI 77499 (IRON OXIDE), CI 77891 (TITANIUM DIOXIDE).

Lá em Portugal, você encontra várias lojas da KIKO e a sombra sai por €2,90. Era para a marca ter inaugurado a primeira loja em novembro do ano passado – são as últimas notícias que encontrei – vamos torcer para que não atrasem mais!
A embalagem é simples, mas muito funcional. A tampa é transparente (plástico fosco), com o logo da marca, para abrir é preciso apertar uma travinha e em abaixo vem o número da sombra (sim, não colocam o nome...) e algumas informações. Os ingredientes só vêm na caixa ou no site. São 3g de produto, acho bastante, principalmente porque são cores que não uso no dia-a-dia. É prática, simples, vem bastante produto e o ponto negativo é que só vem o número da cor.
A 156 – Pearly Violet é uma sombra roxa perolada com um shimmer azulado. Se você olhar na embalagem vai pensar que é um roxinho brilhante, mas na hora de aplica na pele a sombra mostra todo seu potencial. É L-I-N-D-A! Fico horas admirando o brilho da Pearly Violet. A textura é um pouco acetinada e não esfarela – é preciso esfregar bastante o pincel para pegar mais produto.
A 138 – Mat Orange é um laranja vibrante totalmente opaco. É bem bonita e chama bastante atenção. Acho a textura dela um pouco mais fina, então não precisa esfregar muito o pincel para pegar cor o suficiente e também não esfarela. Na pele, acho que ela perde um pouco de intensidade – sombras com brilho sempre aderem e pigmentam melhor...
Make colorida para o verão | Make escândalo
A duração delas é normal, na verdade não sei falar muito sobre a duração de sombras. Em dias quentes e/ou pálpebra mais oleosa vão fazer a sombra sair mais rápido. Então, minha pálpebra é meio oleosa e um pouco gordinha, com o tempo as sombras sempre acumulam e saem um pouco perto do canto interno – já desencanei! Ah, primer não faz muito milagre, mas não posso negar que ele ajuda a segurar um pouco mais.

Em resumo, são sombras com um bom custo benefício! Lá fora é bem baratinha, aqui eu acho que vai sair uns R$30,00, mais ou menos o preço da Quem disse, Berenice?. A KIKO é uma marca muito boa e com preços melhores ainda. Até agora não me decepcionei com os produtos que tenho da marca. Não vejo a hora deles desembarcarem por aqui!

Você já usou alguma sombra da KIKO?

Até mais!

Marque suas fotos com #PerspectivaLaranja e apareça por aqui!