segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

De malas prontas: Portugal

Depois de 15 dias viajando, chegou a hora de ir para a terrinha, finalmente fomos conhecer Portugal! Se você ainda não leu sobre as outras paradas da viagem, os posts estão aqui: Londres, Paris e Roma.

Saímos de Roma pela manhã e chegamos em Lisboa depois do almoço, já havíamos reservado o carro na Europcar, então foi só pagar a reserva e sair com o carro! Fomos direto para o hotel, fizemos o check-in e fomos explorar Lisboa!

Andamos à pé do hotel até o Castelo de São Jorge, chegamos lá no por-do-sol. A cidade tem muito sobre e desce, mas tem calçadas muito boas para caminhar. Para chegar no castelo foi preciso subir trocentas escadas, mas vale a pena! A vista é linda! O castelo é da época dos mouros, todo construído em pedra, pode andar pelas muralhas e dentro tem um pequeno museu. O legal mesmo é andar pelas muralhas, porém é um pouco perigoso, por serem construções muito antigas, não tem muita segurança, por eu ser uma pessoas muito estabanada, em algumas partes preferi não subir. São escadas de pedra, muitas vezes bem ingrimes e sem corrimão - surreal! A experiência foi muito legal!

Depois continuamos andando pelo centro, jantamos em um restaurante de brasileiros, onde eu resolvi comer uma feijoada com picanha, cara, eu realmente estava precisando de uma comida assim! Não como peixe, então não tive nenhum problema em recusar um bacalhau português!
Castelo de São Jorge
No dia seguinte, saímos cedo e pegamos a estrada, fomos até Fátima, o que levou umas 2:30. Só que quando chegamos lá, percebemos que deixamos a carteira com todo nosso dinheiro em papel no hotel de Lisboa. Ficamos desesperados! Tentamos pedir informações para saber como ligar para Lisboa, o atendente do restaurante disse para irmos na companhia telefônica, só que lá não tinha ninguém para atender. Minha solução foi entrar em um hotel e pedir ajuda. Contei a história e a dona nos ajudou, falei com o hotel de Lisboa e realmente a carteira estava lá, então teríamos que voltar para Lisboa. A dona do hotel não nos deixou sair sem almoçar por lá, comemos muito bem, a comida estava ótima, não tínhamos como agradecer pela ajuda dela.

Voltamos para Lisboa, pegamos a carteira e voltamos para Fátima. ficou meio corrido, infelizmente! Pagamos o almoço que a dona do hotel nos ofereceu, visitamos o santuário e compramos souvenires. Foi tudo muito rápido pois ainda iríamos para Porto.

Foram mais umas 2 horas de viagem, chegamos por lá no final da tarde. Fizemos o check-in no hotel e fomos passear. Pegamos o metro e chegamos na ponte de Porto que foi construída pelo Eiffel, sim aquele mesmo cara de construiu a Torre em Paris! Não preciso dizer que a vista também é linda! Continuamos andando pela cidade até o monumento de Dom Pedro IV (o nosso Dom Pedro I), a estátua fica em uma praça e em volta há vários restaurantes, escolhemos um para jantar! Comemos alheiras, queijos e um bom vinho verde, típico da região.
Fátima e a ponte prima da torre Eiffel
Na manhã seguinte pegamos a estrada novamente, a programação do dia era bem apertada! Fomos até Mirandela, nossa primeira parada e onde almoçamos. É uma cidade pequena no interior português, próxima de onde nossas avós nasceram. Comer por lá é muito barato e os pratos são bem servidos. Ficamos só para almoçar e conhecer o monumento à geografia, como meu marido é geógrafo, não podíamos deixar de passar por lá.

De volta à estrada, fomos até amendoeiras, uma pequena vila onde a avó do meu marido nasceu e cresceu. Atualmente a estrada passa no lugar onde ficava a casa da família. Depois fomos até Quintela de Lampaças, onde  minha avó nasceu. Infelizmente, as vilas são como cidades-fantasmas. Apenas as pessoas mais velhas continuaram, as novas gerações se mudaram para outras cidades ou de país. São vilas muito pequenas, com casas e agricultura, não tem comércio nem nada do gênero.

A penúltima parada foi praticamente na divisa de Portugal com a Espanha, a última vila que visitamos foi São Joanico, onde o avô e a família do meu marido viveu. É uma vila assim como as outras que visitamos, porém ela está preservada! A "atração" principal da cidade é a ponte românica, que continua intacta. É um lugar que parou no tempo! Me senti em um cenário de novela de época! Sério! Enquanto andávamos pela ponte, encontramos uma senhora que logo perguntou se éramos brasileiros, conversamos por um tempo e descobrimos que o marido dela era primo do avô de meu marido. Nos convidaram para tomar um lanche e nos contaram um pouco sobre a vila. Por mais que as novas gerações tenham se mudado dali, sempre que possível eles voltam para a vila, continuam organizando a festa do padroeiro (São João) e o governo português incentiva alguma vilas para que mantenham a agricultura e cultura do local. É bem interessante! Boa parte do que comemos na casa dos primos era feito lá, tudo fresquinho e saboroso!

Depois pegamos a estrada para chegar em Bragança, onde iriamos dormir. Para chegar lá, fomos até a Espanha e voltamos para Portugal, era o caminho mais rápido pois poderíamos usar a autoestrada.
Em cima: Mirandela e Amendoreiras (onde ficava a casa), Em baixo: Quintela e São Joanico
Bragança é uma cidade relativamente grande e para onde uma boa parte das pessoas que moram nas vilas se mudam. É próxima e tem boa estrutura. De noite passeamos no shopping, pequeno, mas ainda sim um centro comercial da região. Na manhã seguinte fomos conhecer o castelo de Bragança, menor do que o Castelo de São Jorge, mas tão antigo quanto. Também com pouca infra-estrutura e quando fomos estava chovendo, então todo cuidado era pouco, pois as pedras estavam bem escorregadias. Saímos do castelo e fomos para Braga, onde eu apenas fui no shopping, eu precisava fazer comprinhas e tinha uma Primark lá, fiz a festa! Sei que poderíamos ter visto muitas coisas por lá, mas a vontade de comprar foi maior...
Castelo de Bragança
Dormimos em Braga e depois seguimos viagem para Lisboa. Conhecemos o museu marítimo e a Torre de Belém. Deixamos o carro no hotel e fomos de ônibus para o museu. A torre era muito perto, então fomos andando. Reservamos o dia para comer o famoso pastel de Belém, e vale a pena, ele é muito muito muito bom!! Me arrependo de não ter comprado mais!!
Torre de Belem

Mais Torre de Belem

Vai um pastel ai?!
E lá se foram 5 dias em Portugal, mas a viagem ainda tinha mais uma parada em solo português! Devolvemos o carro e pegamos o avião para irmos até a Ilha da Madeira, onde meu avô nasceu.

É um lugar lindo, de céu azul, mar mais azul ainda e as praias são de pedras. Ficamos 2 dias e tiramos esses dias para repor as energias, até fiz uma massagem! Almoçamos num shopping perto do hotel pois ainda não tinha dado o horário do check-in, mas depois ficamos na piscina sem fazer nada, só observando a paisagem, as águas calmas... Vida chata né?!
Funchal, na Ilha da Madeira
Ainda deu tempo de passear pelo centro, mas infelizmente era domingo e muitas coisas estavam fechadas. Fomos andando até o centro, mais ou menos uns 40 minutos de caminhada. Para voltar, pegamos o ônibus pois já estava anoitecendo.

Para a janta, comemos no quarto do hotel, que tinha cozinha. Compramos algumas coisinhas no mercado e preparamos. O restaurante do hotel já estava fechado e se fossemos até o centro não conseguiríamos ônibus para voltar. Devíamos ter comido antes de voltar para o hotel...

Na manhã seguinte, fomos na praia passear, é meio difícil andar em uma praia de pedras, não é muito estável, mas o barulho das ondas levando as pedras é muito relaxante! Era nosso último dia na Ilha e de viagem, queríamos aproveitar cada momento! De tarde passeamos pelo centro novamente e de noite jantamos a comida típica da região: Espetadas, milho frito e bolo de caco com manteiga d'alho. No nosso português, espetinho, polenta e pão de alho!!
Praia de pedras
Mal pudemos dormir, para falar a verdade, eu não consegui. Na manhã seguinte acordamos às 3:00 da manhã para irmos até o aeroporto, nosso vôo para Lisboa saia às 5:00. Pois é, a viagem tinha acabado, chegamos no Brasil e finalmente fomos para o nosso apartamento.
Não, não acaba! Quero começar tudo de novo!
Gostei muito de conhecer Portugal, bom para passear, ótimo para comer, principalmente no interior. Espero voltar a Portugal para conhecer melhor Lisboa e Porto e visitar o sul. Tem muita coisa legal para conhecer! Andamos muito de carro, mas em Lisboa e Porto usamos o transporte público, em ambos lugares muito eficientes. Comer não é caro e as porções são bem generosas. Falar a língua facilita muito, pois você se sente mais confortável.

Quanto à Ilha, lá é um pouco diferente. Apesar de ser território português, muitos europeus vão para lá passar as férias, europeus cheios de dinheiro. As coisas por lá são bem mais caras e tudo é voltado para o turismo. Uma situação que achamos muito estranha foi quando passamos pela recepção do nosso hotel, falamos em português (óbvio) com a recepcionista e ela pediu desculpas por não falar português... Sim, ela não falava português. É como ir ao nordeste brasileiro e os funcionários do hotel não falarem português. Isso mostra que tudo é voltado para o turismo europeu. Não preciso nem falar que as tradicionais rendas da ilha são caríssimas... Eu ainda gostaria de passar mais tempo na ilha, conhecer a região que meu avô nasceu, da onde minha família vem. Quem sabe um dia?!

E essa foi minha lua-de-mel! Simplesmente perfeita! Conheci lugares que sempre sonhei, mas não achei que fosse conhecer tão cedo. Além disso, a viagem toda despertou a vontade de conhecer mais lugares. Nunca tinha feito uma viagem dessa maneira, e adorei! Não vejo a hora de planejar a próxima!!

Assim, na verdade meu marido já tem uma viagem toda planejada, só não sabemos quando ela vai acontecer, mas quando der certo, ela será muito legal!!

See Ya!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marque suas fotos com #PerspectivaLaranja e apareça por aqui!